20211109_Seminário_Atitude_10_anos_-_fotos_de_William-SPVD_menor.jpg Programa confirma expansão para o Sertão do Estado e convênio para oferecer oportunidades de trabalho para usuários do serviço 

O Seminário “Uma trajetória de 10 anos: Histórias, Lutas e Novos Caminhos do Programa Atitude”, realizado no dia 12, confirmou a expansão e a criação de novas oportunidades. O programa terá uma nova unidade no Sertão pernambucano, em Petrolina, e foi assinado um convênio entre o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana), o Centro de Prevenção às Dependências (CPD) e a Secretaria de Políticas de Prevenção à Violência e às Drogas (SPVD), para oferecer vagas de empregos formais para os usuários dos serviços do programa.

O evento contou com a presença da governadora em exercício, Luciana Santos, além dos secretários de Políticas de Prevenção à Violência e às Drogas, Cloves Benevides; de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo; de Defesa Social, Humberto Freire; o representante da Secretaria de Saúde, o gerente de Saúde Mental, João Marcelo Costa; e o defensor público geral José Fabrício. Também participaram a superintendente de Cuidados com as Pessoas, Malu Freire, que há 10 anos coordena o programa; a diretora do Centro de Prevenção às Dependências (CPD), Ana Glória Melcop, representantes dos profissionais e dos usuários do Programa Atitude.

Um dos momentos marcantes foi o depoimento do ex-usuário Fábio Falangula, sobre o retorno a família. “O Atitude me permitiu reconquistar minha filha e minha esposa”, declarou emocionado.  O evento também trouxe o presidente da Associação Brasileira de Saúde Mental e da Central de Cooperativas Unisol Brasil, Leonardo Pinho, que se destaca no país com o seu trabalho em função da importância do trabalho, retorno à vida social e produtiva para a recuperação de pessoas dependentes de drogas.

O evento também homenageou o criador do Programa em 2011, o então governador Eduardo Campos, que foi representado pelo seu filho, Pedro Campos. Nesses dez anos, foram atendidas 34.067 pessoas, que demandaram mais de 1,1 milhões de atendimentos gerais, a maioria em situação de grave vulnerabilidade pessoal e social. Nesse período, o Atitude também se destacou como estudos de pesquisadores da Fundação Osvaldo Cruz (FioCruz) e das atenções de instituições internacionais, como a Open Society Foundation e a Mainline, da Holanda.

O secretário Cloves Benevides destacou a importância do programa como parte do avanço das políticas sobre drogas em Pernambuco. “Estamos falando do programa mais longevo em execução no país. Um programa que está em expansão e que mantém sua trajetória de crescimento no número de atendidos e no orçamento a ser executado”, disse Cloves Benevides. Em 2021, o Atitude executa o seu maior orçamento, de R$ 22,5 milhões.

Estrutura – O Programa Atitude funciona em quatro unidades, nos municípios do Recife, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Caruaru, enquanto a nova unidade em Petrolina se prepara para unir esforços. Cada uma das unidades possui quatro serviços: o Atitude nas Ruas, Centro de Acolhimento e Apoio, Centro de Acolhimento Intensivo e o Atitude Moradia.

O Atitude nas Ruas faz a busca ativa, nos locais denominados “cenas de uso”, como praças, embaixo de viadutos e terrenos sem cuidados. O Atitude nas Ruas faz o primeiro contato e apresentado o serviço. Os usuários interessados vão para o Centro de Acolhimento e Apoio, que funciona como uma casa de passagem. No Apoio, como o serviço é conhecido, eles fazem o primeiro pacto com o Plano Individual de Atendimento (PIA). Neste registro, falam se possuem documentos, dão informações sobre a saúde, sua conexão com a família, que nível de risco de segurança enfrenta e mais dados pessoais. Os usuários que conseguem progredir são elegíveis pelos técnicos do programa para o Centro de Acolhimento Intensivo.

O serviço do Intensivo é uma república, uma casa na qual moram usuários e seus familiares. No Recife, destaca-se o Intensivo Mulher, destinado exclusivamente a mulheres e suas famílias, em geral, os filhos pequenos que também são acolhidos. Como o nome sugere, neste serviço o atendimento para o resgate com os vínculos familiares, comunitários e laborais são intensivos. Os usuários e as usuárias que progredirem são elegíveis para o último serviço, o Atitude Moradia, um aluguel social.

O Atitude Moradia é um benefício temporário no qual aqueles usuários que vêm em um ciclo virtuoso na sua situação socioprodutiva e em relação com a família e com a comunidade permanecem por seis meses. Eles moram em uma unidade custeada pelo Governo do Estado. Ao final do período, os usuários se desligam do programa e seguem o curso da própria vida.

Foto na home - Aluísio Moreira (SEI)

Foto acima - William Oliveira